O vitral de oito células é formado por uma única composição de linhas abstratas/figurativas que desenham um caminho de dor e de luz.

Visitação: O vitral parte das tonalidades escuras da terra que vão aquecendo, iluminam-se pouco a pouco intensificando-se no encontro/saudação ade Maria a Isabel.

Um jorro de luz que desce do alto realça a exultação do encontro devido à projeção de cores e de luz pela presença do Espírito Santo; Maria fala de si, exultando Deus.

Por trás de Isabel, as cores vermelhas querem significar a missão de João Batista como percursor e que termina com o martírio.

 

Natividade: A encarnação da Luz do Verbo é representada pelas tonalidades luminosas como um eco infinito da Palavra do Pai: o mistério de Deus feito homem.

As bodas de Caná: O vinho da boda escorre copioso naquela festa, torna-se lugar onde se manifesta o amor divino.

Vuoto il silenzio di Maria: Vazio de silêncio de Maria: Maria viveu num abismo de amor, é transparência pura do amor, imagem incandescente de Deus. Durante a vida pública de Jesus, Maria contempla as maravilhas que o seu filho realiza. Silêncios, vazios que a transformam num perene recolhimento de amor; é a cheia de graça, nEla Jesus, o Verbo de Deus, pode falar.

“És esplendor de luz, ó Maria, no sublime reino espiritual! Em Ti o Pai, que não tem princípio e cuja potência te descobriu e glorificou. Em Ti o Filho, que trouxeste segundo a carne, é adorado. Em Ti o Espírito Santo, ... é celebrado. Foi graças a Ti, ...  que a Trindade ... pode ser conhecida no mundo” (Gregório Taumaturgo padre da Igreja.).

 

Maria Desolata: mulher do “Sim”, no stabat aos pés da cruz numa relação de amor com o Filho, domina a força dos tons violeta- azul-magenta, expressão da dor da paixão, da perda do Filho, do abandono do Pai. Um encontro unitário onde Jesus entrega à sua Mãe a Igreja nascente, é corredentora, atinge todo o esplendor do desígnio de Deus, torna-se Mãe da Igreja e da humanidade.

Aos pés da cruz, Maria foi investida de uma maternidade nova, a dos discípulos de Jesus. Esta missão exigia um dom renovado do Espírito... Enquanto que na Encarnação o Espírito desceu sobre Ela, como pessoa chamada a participar dignamente no grande mistério, agora tudo se  concretiza em função da Igreja da qual Maria é chamada a ser tipo, modelo e mãe” (João Paulo II, Audiência Gen, 28/05/1997).

 

Glória de Maria: Reforçado pela faixa luminosa de luz, Maria sobe ao Pai, no Espírito, e no corpo o seu cântico, nEla toda a criação volta para Deus, purificada e redimida.